Na estrada: Joelho de Porco, na Cachaçaria do Dedé, em Manaus

Por Carol Marques

Foto: Carol Marques

Depois de uma semana na Amazônia, comendo peixe de manhã, de tarde e de noite, eis que encontro no meio do cardume nada menos que um joelho de porco defumado como opção de delícia gourmet para variar o cardápio.

Embora tenha resistido no começo, com dificuldade de associar essa articulação do suíno das lamas à ideia de sabor irresistível, terminei por me render à curiosidade de provar a especialidade da Cachaçaria do Dedé que, pelo ambiente, mostrava-se bastante convincente. Sei que a apresentação que você vê na foto não contribui para a minha credibilidade, mas a verdade é que o prato foi uma gratíssima surpresa manauara.

Sabe aquela sensação maravilhosa da faca que perfura uma capa crocante e encontra carne macia e suculenta? Foi exatamente isso! Tempero no ponto, assamento perfeito, “pururucada” de virar os olhos.

Não espere muito dos acompanhamentos. Nada de especial na dupla bicolor arroz branco e farofa amarelinha. Mas a carne vale tanto que você pode fechar os olhos (e abrir a boca) pra isso.

Parêntese, porque não sei viver sem ele: (o joelho de porco é tradicional na culinária alemã e você pode encontrá-lo nos menus da vida com o nome original: eisbein). Ok. foi curtinho.Voltando…

Foto: Carol Marques

Para os amantes da boa cerva, o local tem uma carta generosa de opções nacionais e internacionais. E a combinação é perfeita! Mas ei, é pecado sair do local sem tomar uma pinga – estamos numa cachaçaria, hein? A seleção de águas que passarinho não bebe ultrapassa os 800 rótulos, incluindo a branquinha paraibana Serra Limpa. E há drinks bem bacanas, como o caipilé. Não, caro campinense, não é homenagem ao músico da terrinha. Trata-se, na verdade, de uma mistura maravilhosa de capirinha com picolé. A que pedi era de morango com kiwi e picolé de abacaxi. A dose não é para os fracos, é bom alertar (tá, tá, confesso que bati pino).

A Cachaçaria tem dois endereços na capital amazonense. Fui à que fica no Manauara Shopping, cuja praça da alimentação é a mais linda que já vi na vida, com um incrível jardim-floresta e mesas ao ar livre.

Foto: Jordan Brandon

Não posso me esquecer de mencionar que cheguei ao Dedé graças à sugestão de um guia do Tree Climbing. E conversar com os guias, assim como com os taxistas, sobre dicas gastronômicas é algo que adoro fazer e que costuma render boas descobertas. Que venha a próxima!

1 Comment

  1. Também passei uma temporada em Manaus e, encerrar esse intensivão de peixes (todos eles maravilhosos e abundantes) com a Cachaçaria do Dedé é trazer na mala uma vontade imensa de voltar. Além do joelho de porco, acho que o destaque fica com a Carta MARAVILHOSA de cervejas gourmet e com a vista incrível do buritizal. Demais! <3

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Sobre

Magali com Cebolinhas é um caderno de pequenas gordices, descobertas e felicidades gastronômicas. Sem especialistas, o blog é formado por gente que gosta de comer - e isso é o bastante. Saiba a origem do nome do blog aqui. magali@diversita.com.br

Carol Marques


Carol Marques sempre teve cara de Luluzinha, mas tem apetite de Magali. Nunca dispensa a sobremesa e está sempre em busca do lugar perfeito para comer bem.

Ricardo Oliveira


Ricardo Oliveira é cinéfilo e formiga. Para ele, tudo que pode deve ter bastante açúcar: café, suco e até os doces devem ser bem doces. É do tipo que passa mal de alegria quando descobre uma nova sobremesa perfeita.