Sobre arroz japonês, temakis abertos e infância

É assim que funciona. Um temaki, aberto, sem a alga.

É assim que funciona. Um temaki, aberto, sem a alga.

por Ricardo Oliveira

É algo infantil e a explicação é fácil. Mas não será curta, claro.

Assisti muita sessão-da-tarde e vi muita gente comendo arroz com ohashi nos filminhos e desenhos animados. A gente entendia que era um desafio impossível, já que o arroz brasileiro é aquele soltinho, refogado. No máximo, aqui pelo Nordeste, a gente comia um arrozinho de leite com carne de sol e… Para tudo. O post é sobre temaki aberto.

Sério, eu cresci com essa coisa de querer comer arroz à japonesa, com ohashi. Guardei pra mim, mas a família sabe que desde os 8 anos eu pratico o uso dos sticks. Coisa de menino doido. Até demorei pra aprender a gostar de comida japonesa. Tinha agonia dessa coisa de comida crua. Continuo curtindo mais os flambados e fritos do que os semi-vivos, mas às vezes também vão pro papo.

A vontade era grande, mas não organizei a situação por falta de possibilidades. Com toda essa moda de sushis e temakis por aqui, pouco se dá atenção às outras possibilidades da culinária japonesa. Justamente aquela que eu via nos filmes na infância. Comer arroz.

[E arroz é um capítulo à parte pra mim, que merece futuro post. Arroz branquinho, bem, bem branquinho].

Um arroz que ~acompanha~ a comida ao invés de apenas enrola-la

Um arroz que ~acompanha~ a comida ao invés de apenas enrola-la

A primeira experiência então, foi despretensiosa e inesperada. Em São Paulo, conheci a rede Gendai. Esse interessante japonês-de-shopping tem opções de sushis, temakis, sashimis, mas também pratos quentes onde o arroz acompanha a carne e os legumes, ao invés de enrola-los. Delícia.

Isso tudo pra dizer que em João Pessoa eu descobri a possibilidade de algo parecido:

Temaki aberto.

A dica foi involuntária, via Facebook. Esse aí da foto acima de chama Ame Sake e está disponível no Temaki da Vila. O lugar é um dos meus preferidos na cidade (ps.: eu e Carol estamos nos organizando para listas 2013 onde faremos listas e, uma delas, será relacionada às temakerias pessoenses). Gosto da decoração e dos temakis de lá, que ainda conta com preços convidativos.

O Ame Sake é um temaki de salmão grelhado, com arroz e molho de laranja. O combo é pura alegria e a versão aberta é incrível. Vem bem mais que um temaki normal e são acrescidos, neste caso, 4 reais a mais no valor original (11,90). A quantidade é de uma refeição bem legal e vale até por um almoço, por exemplo. Por lá, o salmão vem no ponto, sem estar borrachudo e o arroz é uma delícia. Já provei duas vezes e decidi que ele não deve vir com o cream-cheese, que é opcional, mas a cebolinha deve permanecer. O molho de laranja poderia ser um pouquinho mais generoso e o shoyo com wasabi acompanha bem demais.

É, eu sei.

Tudo isso só pra dizer que gosta de comer arroz com palitinho japonês. Exatamente.

Ficam então, duas perguntas:

- Qual a sua vontade magalinesca ainda não realizada?
– Você sabe de outros lugares de João Pessoa que tenham pratos quentes japoneses, que tragam o arroz assim?

Temaki da Villa
Av. Pres. Epitácio Pessoa, 5200 – Cabo Branco, João Pessoa – PB
(83) 3247-8000

PS.: é importante ressaltar que o arroz japonês favorece o uso do ohashi e, sabendo o básico de seu uso, é praticamente como comer com garfo.

2 Comments

  1. Ricardinho, no Sushi Bessa tem o Teppanyaki, que pode ser de frango, carne, camarão ou salmão.
    O prato é basicamente uma dessas “carnes” com legumes na chapa e arroz japonês à parte.
    Bom pra caramba!

    • Maravilha, cara. Vou em busca!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Sobre

Magali com Cebolinhas é um caderno de pequenas gordices, descobertas e felicidades gastronômicas. Sem especialistas, o blog é formado por gente que gosta de comer - e isso é o bastante. Saiba a origem do nome do blog aqui. magali@diversita.com.br

Carol Marques


Carol Marques sempre teve cara de Luluzinha, mas tem apetite de Magali. Nunca dispensa a sobremesa e está sempre em busca do lugar perfeito para comer bem.

Ricardo Oliveira


Ricardo Oliveira é cinéfilo e formiga. Para ele, tudo que pode deve ter bastante açúcar: café, suco e até os doces devem ser bem doces. É do tipo que passa mal de alegria quando descobre uma nova sobremesa perfeita.