Sobre tortas de limão e bipolaridades gastronômicas

A apresentação diferenciada...

por Ricardo Oliveira

Quem já foi mais de uma vez ao Fran’s Café de João Pessoa sabe que ele é meio “de lua”.

Tem dia que o sanduíche australiano de lá está impecável…noutro, faltou mais carinho no preparo. Há dias que o café vem bem quente, não esfriando rapidamente com o arcondicionado…noutro, faltou deixar a máquina caprichar na temperatura.

Assim, já vi gente que foi e odiou a comida, assim como outros amigos e amigas que se achegaram por lá e curtiram demais. Carol tem história pra contar, em breve. Eu, nunca tive problemas com o que pedi, mas por já acompanhar outros amigos que repetiram a viagem, “atesto” a bipolaridade gastronômica.

Em março eu dei uma passada por lá e segui um ritual importante que aprendi com o amigo Alê Gustavo: pedir a torta de limão. A história dele começa lá em Piratininga, onde vive, com uma tortinha famosa que merece post à parte. Mas como torta de limão também é um hobby magalinesco da minha pessoa, sempre sigo o conselho de Alê.

Já provei, que me lembre, no São Braz Coffee Shop, no restaurante La Gula (outro evento especial que merece destaque futuro), no café Vienna (em São Paulo), na padoca do Morilha (em Piratininga) e no Fran’s Café. Sim, daquela vez em março.

...conta muito, sempre.

Na época, saí de lá convicto de que era a melhor torta de limão que já tinha provado. Ela era simples, mas com pequenos detalhes que faziam uma diferença danada: massa de biscoito tradicional, mousse de limão tradicional…mas um glacê com raspas de limão por cima e caramelo no prato.

O-caramelo-muda-tudo. E o glacê também.

Há lugares que investem num suspiro por cima que também reverte o quadro, mas o excesso de doce não agrada a todos.

Na segunda prova do Fran’s, no último sábado, continuei satisfeito – mas o brilho diminuiu. A apresentação mudou: agora vem uma bolinha de glacê ao lado (fotos acima) com alguma outra coisinha por lá que não consegui detectar, mas dava um efeito ótimo na degustação. Talvez a mudança na experiência tenha sido um encanto inicial, devido à surpresa. O registro de março foi esse, no Instagram:

A tortinha do Fran's Café em março

Considerando que acertar a mousse de limão da torta seja o mais básico, pra mim o grande diferencial está em quem acerta a massa de biscoito. Não é fácil, pelo que sei. Envolve conseguir crocância, somada ao desmanchar adequado e nada muito amanteigado. O Fran’s, além de se diferenciar com o glacê e caramelo, acerta nisso e outro lugar que também honra a causa das tortas com massa de biscoito é o restaurante La Gula. Lá, por sinal, o corte é hiper generoso e serve até duas pessoas. Em ambos os lugares, a fatia fica na faixa dos 9 reais.

***

Depois das tortas de chocolate, são as de limão que me fazem salivar mais. O bacana foi descobrir que no balcão há outras tortas não listadas no cardápio e tem uma tal de chocolate com caramelo e amendoim que me interessa de sábado até agora, sem pausas. Se você conhece alguma especial, compartilha aí nos comentários…espaço todo seu ;)


Fran’s Café
Avenida General Edson Ramalho, 890,
Loja 108,  Manaíra.

1 Comment

  1. Torta de limão é mesmo um doce azedume irresistível, mas a minha torta “vice” é a de morango. E respondendo a sua pergunta, a que provei lá no Fran’s foi torta mousse de chocolate. Depois conto aqui minha impressão.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Sobre

Magali com Cebolinhas é um caderno de pequenas gordices, descobertas e felicidades gastronômicas. Sem especialistas, o blog é formado por gente que gosta de comer - e isso é o bastante. Saiba a origem do nome do blog aqui. magali@diversita.com.br

Carol Marques


Carol Marques sempre teve cara de Luluzinha, mas tem apetite de Magali. Nunca dispensa a sobremesa e está sempre em busca do lugar perfeito para comer bem.

Ricardo Oliveira


Ricardo Oliveira é cinéfilo e formiga. Para ele, tudo que pode deve ter bastante açúcar: café, suco e até os doces devem ser bem doces. É do tipo que passa mal de alegria quando descobre uma nova sobremesa perfeita.